Direito à Preguiça - Paul Lafargue

Considerada uma sátira política magistral, uma obra-prima de crítica ao regime capitalista e um clássico da literatura francesa.

O Direito à Preguica é um panfleto político escrito por Paul Lafargue que polemiza com as visões liberais, conservadores e até marxistas do trabalho.

À época, em Paris, a jornada de trabalho superavam as 12 horas diárias (por vezes estendendo-se até à 17 horas). Tal coisa ocorria pois seguia-se a doutrina que dizia que o trabalho era algo dignificante e benéfico.

O panfleto é polêmico pois discute um pecado capital como direito, escolhido de forma proposital como forma de discutir a dominação através da religião, assumindo o trabalhador como uma figura ligada a Deus. Contra essa convicção muito difundida por diversos escritores, Lafargue denuncia a "santificação" do trabalho debochando dele como um "dogma desastroso".

Veja também: Elogio do ócio

O Direito à Preguiça por Aline Malanovicz

Sobre O direito à preguiça de Paul Lafargue (análise completa)

Nenhum comentário:

Sites interessantes