Biografia de Agatha Christie

Escritora e dramaturga inglesa. Um dos maiores fenômenos da literatura mundial, com aproximadamente 2 bilhões de exemplares vendidos.

agatha-christieOrigem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Agatha Mary Clarissa Mallowan (Torquay, 15 de Setembro de 1890 — Wallingford, 12 de Janeiro de 1976), mundialmente conhecida como Agatha Christie, foi uma romancista policial britânica e autora de mais de oitenta livros. Seus livros são os mais traduzidos de todo o planeta, superados apenas pela Bíblia e pelas obras de Shakespeare. É conhecida como Duquesa da Morte, Rainha do Crime, dentre outros títulos.
Criou os famosos personagens Hercule Poirot, Miss Marple, Tommy e Tuppence Beresford e Parker Pyne.
Biografia

Nascida Agatha Mary Clarissa Miller em 15 de Setembro de 1890, Agatha Christie é conhecida pelo mundo como a Rainha do Crime[1]. Os seus livros venderam mais de um bilhão de cópias em inglês, além de outro bilhão em línguas estrangeiras. Ela é a autora mais publicada de todos os tempos em qualquer idioma, somente ultrapassada pela Bíblia, e mais que Shakespeare. Ela é a autora de oitenta romances policiais e coleções de pequenas histórias, dezenove peças e seis romances escritos sob o nome de 'Mary Westmacott. Agatha foi pioneira ao fazer com que os desfechos de seus livros fossem extremamente impressionantes e inesperados, sendo praticamente impossível ao leitor descobrir quem é o assassino.
Casou-se pela primeira vez em 1914, com o Coronel Archibald Christie, piloto do Corpo Real de Aviadores. O casal teve uma filha, Rosalind, e divorciou-se em 1928.
Durante a Primeira Guerra Mundial, Agatha trabalhou em um hospital e em uma farmácia, funções que influenciaram seu trabalho: muitos dos assassinatos em seus livros foram cometidos com o uso de veneno.
Em 1930, casou-se com o arqueólogo Sir Max Mallowan. Mallowan era 14 anos mais jovem que a escritora, e suas viagens juntos contribuíram com material para vários de seus romances situados no Oriente Médio. O casamento duraria até a morte da escritora.
Em 1971 ela recebeu o título de Dama da Ordem do Império Britânico.
Agatha Christie morreu em 12 de janeiro de 1976, aos 85 anos de idade, de causas naturais, em sua residência - Winterbrook, em Wallingford, Oxfordshire. Ela está enterrada no Cemitério da Paróquia de St. Mary, em Cholsey, Oxon.
A única filha da autora, Rosalind Hicks, morreu em 28 de outubro de 2004, também com 85 anos, de causas naturais. Os direitos sobre sua obra pertencem agora a seu neto, Mathew Prichard.

A autora e sua obra

Agatha Christie passou a infância e a adolescência num ambiente quase recluso, pois sua mãe se encarregou de dar-lhe formação cultural, proibindo-a de freqüentar escolas públicas. Tinha trinta anos quando conseguiu publicar seu livro de estréia, O misterioso caso de Styles (1921).
Agatha Christie criou dois tipos inesquecíveis: o detetive belga Hercule Poirot, com suas prodigiosas celulazinhas cinzentas no cérebro, e Miss Marple, uma solteirona simpática, observadora sagaz e tão cerebral quanto o detetive belga. Antes de morrer, em 12 de janeiro de 1976, cuidou também de preparar a morte de Miss Marple; e voltou a mansão Styles, cenário de seu primeiro livro, para encerrar a carreira de Poirot em Cai o pano.

Influência da mãe

Agatha começou a escrever sob influência da sua mãe, que a incentivou a criar um conto, para passar o tempo, enquanto Agatha, entediada, se recuperava de uma forte constipação que a deixara de cama. Ela chegou a duvidar da sua capacidade, mas conseguiu. Continuou a escrever, encorajada por Eden Phillpotts, um teatrólogo amigo da família. Quando já era famosa, disse que, durante muitos anos, se divertiu escrevendo histórias melancólicas, em que a maioria dos personagens morria.
O primeiro romance de Agatha Christie, O Misterioso Caso de Styles, foi escrito no final da Primeira Guerra Mundial, durante a qual ela trabalhou como enfermeira. Nele criou Hercule Poirot, o pequeno detetive belga que mais tarde se tornaria o personagem de crimes de ficção mais popular depois de Sherlock Holmes. Foi publicado em 1920.

O Assassinato de Roger Ackroyd

Em 1926, após uma média de um livro por ano, Agatha Christie escreveu a sua obra-prima: O Assassinato de Roger Ackroyd. Este foi o primeiro dos seus livros a ser publicado pela editora Collins, e marcou o início de um relacionamento autor-editor que durou 50 anos e 70 livros. O Assassinato de Roger Ackroyd também foi o primeiro dos livros de Agatha Christie a ser dramatizado – sob o nome de Álibi – e a fazer sucesso no West End de Londres. A Ratoeira, a sua peça mais famosa, estreou em 1952 e é a peça de maior duração em cartaz da história. Ainda é encenada, no mesmo teatro de Londres, desde então.

Ordem do Império Britânico

Agatha Christie tornou-se Dama da Ordem do Império Britânico em 1971. Morreu em 1976, e desde então vários livros seus foram publicados pós-morte: o romance de sucesso Um Crime Adormecido apareceu mais tarde naquele ano, seguido pela sua autobiografia e pela coleção de pequenas histórias Os Casos Finais de Miss Marple, Problem at Pollensa Bay e Enquanto Houver Luz. Em 1998, Café Preto foi a primeira das suas peças a ser adaptada para o teatro por outro autor, Charles Osborne.

O Caso dos Dez Negrinhos

Um dos seus livros mais famosos, "O Caso dos Dez Negrinhos" (Ten Little Niggers) - cujo título se baseia numa cantiga infantil tradicional de Inglaterra - causou muita polémica na época em que foi publicado nos Estados Unidos devido a preocupações com acusações de racismo; por esse motivo, edições mais recentes receberam o título "Then There Were None" (Então Não Sobrou Nenhum). No Brasil, permanece o título original.

Cai o Pano

O livro "Cai o Pano", narrando a última aventura de Hercule Poirot, foi publicado um pouco antes da sua morte. Agatha disse, quando publicou a história, que preferia matar o seu personagem mais famoso para evitar publicações que ela não aprovaria, após a sua morte. Tanto "Cai o Pano" como "Um Crime Adormecido", o último livro da personagem Miss Marple, haviam sido escritos na década de 1940, devido à preocupação da autora em não sobreviver à Segunda Guerra Mundial - e também como uma forma de assegurar uma adicional fonte de renda para seu marido e sua filha, a quem ela legou os direitos sobre as obras - e ficaram guardados durante décadas no cofre de um banco.

Controvérsia

Em sua autobiografia, Agatha descreve o crescente distanciamento entre ela e o marido após a compra de uma casa no campo, quando ele se tornou afeito ao golfe, dedicando a maior parte dos seus fins-de-semana ao desporto. Mas a crise sobreveio quando, após a morte da sua mãe, Agatha precisou assumir a organização da propriedade da família, Ashfield, em Torquay. Ela e o marido combinaram que iriam fechar a sua casa, e ela passaria o verão em Ashfield com a filha Rosalind, enquanto Archibald Christie, que trabalhava em Londres, passaria a pernoitar no seu Clube, na cidade. Com a missão concluída, a família reencontrar-se-ia para uma viagem à Itália.
Agatha passou cerca de três meses separando, sozinha, os documentos e objetos antigos da família, decidindo o que seria doado, jogado fora, distribuído entre os parentes – tarefa que, combinada com o seu sofrimento pela morte da mãe, a mergulhou numa profunda depressão. Na data combinada, Archibald Christie chegou e disse que não desejava mais viajar; por fim, acabou por confessar que, durante a sua temporada sozinho em Londres, se envolvera com outra mulher (Nancy Neele), e queria o divórcio para se poderem casar.
Esses eventos levaram ao colapso nervoso, que culminou com o famoso desaparecimento da escritora.
Em Dezembro de 1926, o carro de Agatha foi encontrado abandonado, com as portas abertas, à beira de um lago, sem nenhum bilhete ou indício de seu paradeiro. Foram feitas buscas intensas, sem sucesso; falou-se de rapto, suicídio e assassinato; o marido infiel virou suspeito. No entanto, depois de 12 dias, o empregado de um hotel na cidade de Harrogate contactou a polícia, informando que uma hóspede do hotel parecia-se muito com as fotos divulgadas da escritora desaparecida. Chegando ao local, os investigadores constataram que tratava-se de fato de Agatha Christie, que se havia registado no hotel sob o nome de Theresa Neele (o mesmo apelido da amante do seu marido).[2]
A despeito das diversas teorias aventadas sobre o episódio – inclusive a acusação de que se tratara de um golpe publicitário – a autora jamais entrou em detalhes sobre o acontecido; a declaração oficial foi de que ela tinha sofrido um colapso nervoso, que provocara uma crise de amnésia temporária.
Embora em seus livros autobiográficos não haja quase nenhuma informação sobre o epísódio de seu desaparecimento, acredita-se que, em "O Retrato", publicado sob o nome de Mary Westmacott, Agatha conte muito da sua história através da personagem Celia, que pensa em suicídio após ser abandonada pelo marido.

Morte da escritora

Agatha Christie morreu de causas naturais em 12 de Janeiro de 1976, deixando inconsoláveis milhões de leitores fiéis, e uma fortuna calculada em 20 milhões de dólares.

Adaptações das obras

Teatro
  • 1930 Black Coffee - Adaptada para o formato de romance por Charles Osborne, publicado em 1997
  • 1931 Chimneys - Adaptação para o teatro de seu romance The Secret of Chimneys, de 1925
  • 1937 Akhnaton - A ação se passa no Egito Antigo, na época do faraó Akhenaton ou Amenófis IV, sua esposa Nefertiti e seu sucessor, Tutancâmon. Publicada em 1973
  • 193? A Daughter's a Daughter - Escrita no final da década. Adaptada em 1952 para o formato de romance, que foi publicado sob o pseudônimo de Mary Westmacott
  • 1943 And Then There Were None (Os Dez Indiozinhos) - Adaptação para o teatro de seu romance Ten Little Niggers/And Then There Were None, de 1939
  • 1945 Appointment with Death (Encontro com a Morte) - Adaptação para o teatro de seu romance do mesmo nome, de 1938
  • 1946 Murder on the Nile/Hidden Horizon - Adaptação para o teatro de seu romance Death on the Nile, de 1937
  • 1951 The Hollow (O Refúgio) - Adaptação para o teatro de seu romance do mesmo nome, de 1947
  • 1952 The Mousetrap (A Ratoeira) - Não se baseia em nenhuma outra obra anterior. Apresentada ininterruptamente desde 1952 em palcos londrinos
  • 1953 Witness for the Prosecution (Testemunha da Acusação) - Baseada no conto constante do volume Witness For The Prosecution and Other Stories, de 1948
  • 1954 Spider's Web - Não se baseia em nenhuma obra anterior. Adaptada para o formato de romance por Charles Osborne, publicado no ano 2000
  • 1956 Towards Zero (A Hora H) - Adaptação para o teatro de seu romance Towards Zero, de 1944. Escrita com Gerald Verner
  • 1958 Verdict (Veredito) - Não se baseia em nenhuma outra obra anterior
  • 1958 The Unexpected Guest (Um Hóspede Inesperado) - Adaptada para o formato de romance por Charles Osborne, publicado em 1999
  • 1960 Go Back for Murder (Retorno ao Assassinato)
  • 1962 Rule of Three - Três peças de um ato cada: Afternoon at the Seaside, The Rats e The Patient
  • 1972 Fiddler's Three - Originalmente escrita com o título de Fiddler's Five, não chegou a ser publicada
* Os títulos em Português referem-se às edições brasileiras


Cinema

A obra de Agatha Christie foi sempre bem-vinda ao cinema. Ao longo dos últimos 78 anos, Poirot, Miss Marple, Tommy e Tuppence, Mr. Quin, Parker Pyne, e muitos outros personagens têm sido retratados em inúmeras ocasiões:
  • 1928 Die Abenteuer G.m.b.H. (O adversário secreto)
  • 1928 The Passing de Sr. Quinn
  • 1931 Alibi
  • 1931 Café preto
  • 1934 A morte do Senhor Edgware
  • 1937 Amor de um estrangeiro
  • 1945 Os Dez Negrinhos
  • 1947 Love From A Stranger
  • 1957 Witness for the Prosecution
  • 1960 The Spider's Web
  • 1962 Crime,disse ela (Baseado em 4.50 From Paddington)
  • 1963 Murder at the Gallop (Baseado em "Depois do Funeral")
  • 1964 Murder Most Foul (Baseado em Mrs. McGinty's Dead)
  • 1964 Ahoy, Assasssinio! (Um filme original não baseado em nenhum dos livros, embora utilize alguns elementos do livro "Um passe de mágica")
  • 1966 10 Pequenos Indianos
  • 1966 Os Assassinios do Alfabeto (Baseado em "Os Crimes ABC")
  • 1972 Noite Infinita
  • 1974 Crime no Expresso do Oriente
  • 1975 10 pequenos indianos
  • 1978 Morte no Nilo
  • 1980 Espelho Quebrado
  • 1982 Morte ao Sol
  • 1984 Ordeal by Innocence
  • 1988 Um Encontro com a morte
  • 1989 10 pequenos indianos
Material não publicado
  • Neve no Deserto (novela romântica)
  • O Pateta de Greenshore (romance policial, com Hercule Poirot, expandido para a novela Dead man's Folly - A extravagância do morto)
  • Chamada Pessoal (novela de rádio em tom sobrenatural, introduzindo o Inspetor Narracott - o "British National Sound Archive" - Arquivo Sonoro Britânico - dispõe de uma gravação)
  • Manteiga num Prato de Alta Posição (novela de rádio de suspense policial, adaptado de The Woman and the Kenite)
  • O Portão Verde (sobrenatural)
  • A Noiva de Guerra (novela romântica/sobrenatural)
  • O Caso da Bola do Cão (conto, com Poirot, expandido para o romance Dumb Witness e relacionado com o conto: Como cresce o teu jardim?)
  • A mulher e o Kenite (horror)
  • Mais Forte Que A Morte (sobrenatural)
  • Sendo Voluntário Demais (novela romântica)
  • A Última Sessão de Espiritismo (peça de teatro)
  • Alguém à Janela (peça de teatro policial, adaptada do conto The Dead Harlequin)
Referências

1. ↑ http://www.berlitzlife.com.br/index.php?pag=materia&id=1&ident=4&news=52
2. ↑ http://www.livrariadocrime.com.br/?secao=noticia&cd_noticia=350

Nenhum comentário:

Sites interessantes